LOW PRESSURE FITNESS NA DIÁSTASE

Saiba como a LPF pode atuar na diástase pós-parto

Por Verônica Motta em 05/12/2018 às 13:35:04

freepik

O útero grávido em crescimento não apenas estira os músculos abdominais, como, devido à frouxidão da linha alba e dos retos abdominais separados ele pode deixar um espaço de mais ou menos 1 a 3 cm entre os dois ventres do músculo reto abdominal no final da gestação, chamado de diástase.

Essa alteração é muito comum principalmente em mulheres que já tiveram mais de uma gestação e ela gera muito desconforto estético e leva as mulheres a buscarem as mais diversas maneiras para reverter esta situação.

A involução do útero (após o parto) geralmente termina em cerca de catorze dias, mas os músculos abdominais podem levar seis semanas para retornar ao estado pré-gestacional e seis meses até que a força total retorne (Thomson et al, 1994).

Porém, muitas vezes na ânsia de resolver o problema, soluções não adequadas são adotadas. Como excessos de abdominais e atividade física pesada o que acaba agravando a diástase, causando dores nas costas e até hérnias.

Vale ressaltar que a parede abdominal é composta pelos músculos reto do abdômen, oblíquos internos e externos, e transverso. Estes músculos fazem parte da estabilização do nosso tronco e são formados predominantemente de fibras do tipo I (69%), enquanto que de tipo IIb apenas dispõe de uma percentagem aproximada de 3% (Caix, Outrequin, Descottes, 1982). Ou seja, são músculos mais resistentes a fadiga e que precisam estar ativos durante todo o nosso dia para manter principalmente nossa postura ereta, em pé e antigravitacional. Eles não precisam de peso, precisam de resistência.

O LOW PRESSURE FITNESS (LPF) é um método global que utiliza de técnicas como o abdominal hipopressivo, a reeducação postural global, os alongamentos miofasciais juntos e baseados nos princípios da neurodinâmica para trabalhar principalmente os músculos do core (músculos abdominais) e o principal, sem sobrecarregar estruturas importantes, como o assoalho pélvico da mulher que no período pós parto, se encontra frágil e tudo o que ele menos precisa é de mais pressão.

Mas como o LPF atua na diástase?

Durante a execução do LPF acontece uma tração excêntrica (o músculo e o tecido conjuntivo são esticados, alongados) ocorrendo dessa maneira a reaproximação do reto abdominal. Esta tração excêntrica estimula a produção de colágeno e elastina, estimulando assim a regeneração do tecido enfraquecido na linha alba, mantendo esses músculos mais próximos e ativando músculos profundos como o transverso do abdome que tem uma importante função no acinturamento.

Pelo conceito em cadeias miofasciais, também tracionam o assoalho pélvico para cima, reposicionando os órgãos internos, trabalhando a resistência da musculatura, prevenindo e muitas vezes tratando incontinências e melhorando o desempenho sexual.

Tudo o que uma mulher no período pós parto necessita.

Escolhas certas fazem toda diferença neste período.

Procure um profissional licenciado para te auxiliar.